Ainda não há comentários

Reconhecendo o privilégio de orar

Você já parou para pensar em como a gente toma a multiforme graça de Deus como garantida? Não que Ele vá deixar de ser gracioso, afinal, sua natureza é imutável. Dou um exemplo: a oração. Muitas vezes, a gente não encara o livre acesso ao Criador como um privilégio, como uma manifestação da sua multiforme graça. Sabemos que podemos usufruir disso a qualquer hora e é por isso mesmo que não valorizamos e fazemos uso diário de tamanha benção. A expressão em inglês taking for granted, abarca o sentido completo do que estou tentando explicar. A gente toma a oração como garantida e desperdiça um tempo precioso de comunicação com o Pai.

Somos seres dotados de emoções e, acredito eu, que elas sejam algo divino, mas por vezes deixamos que elas definam como nos relacionaremos com Deus. Quantas vezes deixamos de orar por não estarmos nos sentindo bem? Quantas vezes deixamos de orar por estarmos tão alegres que ousamos pensar não precisar mais do Senhor? Sejam boas ou ruins, elas têm ditado não só quando ou como oramos, mas também a frequência com que gozamos deste privilégio. O apóstolo Paulo diz, em Efésios 6:18, que devemos orar no Espírito em todas as ocasiões. É uma recomendação clara para perseverar naquilo que o próprio Jesus nos ensinou a fazer em Mateus 6.

A oração está diretamente relacionada com o amor a Deus. Sendo o amor uma decisão, uma escolha feita todos os dias, a oração reflete se o amamos e o quanto estamos dispostos a investir neste relacionamento. Se o amamos, de bom grado dedicaremos tempo em oração, seja em um momento específico do dia, seja ao longo de todo ele (1 Ts 5:17). Se o amarmos, tristes ou felizes, desanimados ou com muita coragem, nos achegaremos com confiança ao trono da graça. Não existe uma maneira melhor de conhecer alguém que amamos do que tendo um tempo de qualidade com esta pessoa. Temos uma linha direta com o Pai por meio de Cristo, que pode ser acessada em qualquer lugar, em qualquer hora, e não apreciamos tal honra.

Não podemos esquecer que apesar de termos o Espírito Santo de Deus vivendo em nós, ainda estamos em um corpo corruptível. A natureza caída, rebelde, sempre nos guiará a razões para não orarmos. A carne está sempre tentando nos manter distante do Pai e usará de qualquer artifício para fazer isto acontecer. Ela milita contra o Espírito, que é quem intercede por nós com gemidos inexprimíveis e quem nos ensina a orar, pois não sabemos. O velho homem sempre tentará dominar a nossa vida e atacar com setas inflamadas a comunicação com Deus, é uma de suas estratégias.

Jesus era totalmente homem e totalmente Deus. Ele tinha emoções como nós temos, mas invés de ser submisso a elas, era submisso a Deus. Mesmo com a alma profundamente triste ele orou, mesmo cansado de andar pelos povoados, ele se retirava do meio das pessoas para falar com o Pai. Se somos discípulos de Cristo, isto significa que devemos fazer tudo que ele fez, portanto, devemos entregar nossas emoções Àquele que fez nossa alma.

Em Marcos 1:35, relata-se que Jesus acorda de madrugada para orar. Ele tinha um compromisso com o Pai. Sabia que seríamos seus seguidores, por isto foi o exemplo prático. Sabia que orar se trata de construir um relacionamento com o Pai e alimentá-lo, então nada melhor do que nos mostrar como se faz. Orar é resultado de um compromisso com o Senhor e somente o próprio Deus pode nos dar a vontade de orar e de efetuar a oração.

Orar é um privilégio do qual fazemos pouco caso. Somente quem ainda não teve seus olhos descobertos deveria se deixar levar por seus sentimentos invés de pelo Espírito Santo – o intercessor. Você não precisa criar uma lista de coisas para melhorar sua vida de oração. A única que precisa fazer é orar sobre orar! Sim! Se Deus deseja que você cultive o relacionamento de vocês, orando independente do que sente ou deixa de sentir, por que Ele não o ouvirá e fará isso acontecer? João diz, em 1Jo 5:14, que “esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, Ele nos ouve”! Se uma lista fosse necessária apenas dois itens apareceriam: orar e confiar!

A minha oração é para que sejamos como Cristo em tudo e oremos em toda ocasião independente da nossa emoção. Que a tristeza, alegria ou qualquer outro sentimento sejam incentivos para nos colocar em oração diante de Deus ao invés de corrermos para o lado oposto, nos agarrando ao orgulho com todas as forças. Que o Eterno tenha misericórdia de nós! Que ele nos faça enxergar o quão maravilhoso é desfrutar do livre acesso ao Criador por meio de Jesus e nos leve a aproveitar isso ao máximo!

  • Ioná Nunes, 24 anos. É jornalista e congrega na Igreja Cristã Evangélica.

Deixe um comentário