Ainda não há comentários

O que é conversão?

João 3.3-8

O impacto de Cristo produz inquietação no início; há convulsão antes da expulsão. As coisas sempre pioram antes de melhorarem. O evangelho é perturbação antes da libertação. O contato e o consequente conflito não terminam aí. O resultado é a conversão. 

O que queremos dizer com conversão? Conversão é a mudança, gradual ou repentina, pela qual passamos do reino do ego para o reino de Deus pela graça e poder de Cristo. Observe que o centro da velha vida é o eu. Uma pessoa egocêntrica está na velha vida, por mais religiosa que ela possa ser. Um fariseu íntegro conversou seriamente com Jesus à meia-noite, e Jesus disse: “É necessário que vocês nasçam de novo” (Jo 3.7). O “vocês” pode significar “todas as pessoas”, mas também pode significar “a pessoa toda”. Você pode ser justo e moral e, ainda assim, seu centro pode estar completamente errado. Você talvez esteja fazendo coisas boas com uma motivação ruim, um motivo egocêntrico.

Na visão de Jesus, o fariseu precisava de conversão tanto quanto o publicano e a prostituta, e precisava dela de maneira especial. Pois o fariseu pecava em sua disposição – orgulho, preconceito, censura, farisaísmo. Esses são pecados aceitáveis; pecados bramânicos. Não é fácil arrepender-se deles. São os pecados do “irmão mais velho”. O irmão mais novo pecou na carne por meio da luxúria e do apetite. Esses pecados não são aceitáveis; são pecados do excluído. É mais fácil se arrepender desses pecados da carne; portanto, como disse Jesus, o publicano e a prostituta entram no reino de Deus antes do fariseu. Ambos precisam se converter, mudar o centro do eu para Deus. A inglesa Elizabeth Fry (1780–1845), cuja preocupação foi a reforma de prisões, antes de se converter, percebeu que era igual ao fariseu: “Eu vivia em um estado mundano […] só aparência, e nada por dentro. Sinto que sou uma bela senhora desprezível”.* O fariseu convertido tornou-se um cristão maravilhoso.

Um pastor deixou um de nossos Ashrams, reuniu a família e disse: “Tenhamos uma família na qual decidamos as coisas juntos. Vocês elegerão alguém para presidir nossas reuniões”. Ele pensou, sem dúvida, que o elegeriam. Em vez disso, elegeram a filha mais velha. Isso o chocou. Ele se ajoelhou, entregou seu ego ferido a Deus e se levantou como um novo homem.

Ó Deus, vejo que, se estou centrado em mim mesmo, não posso estar centrado em ti. E quero estar centrado em ti. Pois, quando estou centrado em mim mesmo, estou fora do centro, fora de prumo, infeliz. Em ti, conheço o prumo e a alegria. Então venho a ti com todo o meu coração. Tu me tens. Para sempre. Amém. 

Afirmação do dia: Estou convertido, porque Deus é o meu centro – não eu.

>> Retirado de O Caminho [Stanley Jones]. Editora Ultimato.

Deixe um comentário