Ainda não há comentários

O grão e o trigo

No dia seguinte, uma multidão imensa, que havia chegado para a festa, soube que Jesus estava entrando em Jerusalém. Eles tiraram ramos de palmeiras e saíram para encontrá-lo, aclamando: “Hosana! Bendito é ele que vem em nome de Deus! Sim! O Rei de Israel!” […] Havia alguns gregos na cidade, que tinham vindo para adorar na festa. Eles se aproximaram de Filipe […] e pediram: “Queremos ver Jesus. Pode nos ajudar?”. Filipe contou a André, e ambos foram consultar Jesus. Ele respondeu: “O tempo é agora.

Chegou a hora de o Filho do Homem ser glorificado. Ouçam com atenção: a não ser que o grão de trigo seja enterrado no solo e morra para o mundo, não será nada mais que um grão de trigo. Mas, se for enterrado, irá brotar e se reproduzir muitas e muitas vezes. Do mesmo modo, qualquer um que se apega à própria vida apenas como ela é a está destruindo. Mas, se você perde sua vida, sem criar obstáculos ao amor, você a terá para sempre, pois é a vida real e eterna. Se qualquer um de vocês quiser me servir, seja meu seguidor. Aí vocês estarão onde eu estiver, prontos para servir. O Pai honrará e recompensará quem me servir”. (João 12.12-26)

Jesus demonstrou, em palavras e atos, como nossa vida é a semente a ser plantada, não o fruto a ser preservado. Quando percebemos a centralidade de Deus em nossa vida, somos capazes de entender-nos como presentes com liberdade para compartilhar, em vez de bens que devemos proteger cuidadosamente. Como Jesus demonstrou essas palavras?

Onde devo me plantar hoje, Senhor? Em que atos de amor? Em que rotinas de serviço? Em que palavras de testemunho? Espero tua direção, pronto para seguir teu exemplo. Amém.

>> Retirado de Um Ano com Jesus [Eugene H. Peterson]. Editora Ultimato.

Deixe um comentário