Deixando-o, fugiram

Ele mal acabou de falar, e Judas, do grupo dos Doze, apareceu, acompanhado por um bando de maus elementos enviados pelos principais sacerdotes e demais líderes. Eles traziam espadas e paus. O traidor havia combinado um sinal com eles: “Aquele a quem eu beijar é o procurado. Prendam-no!”. Ele foi direto a Jesus e o beijou, dizendo: “Como vai, Rabi?”. Jesus disse: “Amigo, por que a encenação?”. Então, eles se aproximaram e o prenderam com muita brutalidade […] Jesus, então, se dirigiu a eles: “O que é isto? Vieram me buscar com espadas e paus, como se eu fosse um bandido perigoso? Estive ensinando no templo, dia após dia, e vocês nunca moveram um dedo contra mim. Vocês acabam de confirmar os escritos proféticos”. Nessa hora, todos os discípulos já haviam fugido. (Mateus 26.47-56). Roma e a religião conspiraram contra Jesus e prenderam-no, mas ele não temia “mal algum”. Ele estava tão certo do “bordão e cajado” de Deus que, com confiança, desprezou todas as “espadas e porretes”. Onde você está nessa multidão?   Viveste, Jesus, não pela espada, mas pela Escritura. No entanto, continuo a usar de violência, mesmo quando estou tentando fazer as coisas certas. Ensina-me a fazer as coisas a tua maneira: por teus objetivos, sim, mas também pelos teus métodos. Amém.

>> Retirado de Um Ano com Jesus [Eugene H. Peterson]. Editora Ultimato.

Deixe um comentário